Projeto “Rota do Rosário”

O que é a Rota do Rosário?

A Rota do Rosário é um projeto que visa desenvolvimento regional, que tem por finalidade alavancar o turismo religioso e sustentável das regiões que abrangem o Norte Pioneiro e os Campos Gerais do Paraná. Deste modo, no aspecto turístico a Rota do Rosário contempla todos os requisitos de uma verdadeira rota turística compondo um grande acervo no âmbito religioso, cultural, gastronômico e belezas naturais. (slide 22 do pps)

Os visitantes que almejam perscrutar a Rota do Rosário encontrarão satisfação em cada segmento dentro deste projeto: empreendedores e empresários sabem que o turismo é um composto completo com atividades que abrangem comércio, indústria e serviços. Tudo isso é disposto pela região que compõe a Rota do Rosário. Governantes e lideranças perceberão as oportunidades de desenvolvimento regional em vários segmentos. Evangelizadores poderão cumprir sua missão de arauto da boa nova e experimentarem frutos de espiritualidade local. As famílias haverão sempre de encontrar possibilidades reais de manter sua família unida com ocupação, renda  e qualidade de vida nos mais variados ambientes.

Enfim, a Rota do Rosário contempla a todos os públicos independentemente do credo que professa. Todos cabem e serão bem vindos para se encontrar dentro da Rota do Rosário – Pastoral do Turismo Religioso.

  1. JUSTIFICATIVA

I.I O Brasil é o maior país cristão do mundo

O Brasil é o país com o maior número de católicos do planeta. São, segundo o IBGE, 75,5 milhões de fiéis, cerca de, praticamente, 74% (73,9%) do total da população. Esses percentuais aumentam quando focam o Estado do Paraná: 76,6% e, mais ainda, quando dizem respeito à soma dos municípios pertencentes à AMUNORPI – Associação dos Municípios do Norte Pioneiro, chegando a  consideráveis 80,02%.

I.II Norte Pioneiro e o Catolicismo

Os autores, César Romero Jacob, Dora Rodrigues Hees, Philippe Wanez e Violette Brustlein, do Atlas da Filiação Religiosa e Indicadores Sociais no Brasil (PUC) afirmam que, em geral, a diversidade religiosa tende a se tornar uma realidade comum a todo o Brasil, com exceção de três áreas: o sertão nordestino; o interior de Minas Gerais; o interior de Paraná, Santa Catarina e Rio Grande e do Sul. Essas áreas são apelidadas, por eles, de “bastiões” do catolicismo – onde o catolicismo se mostra mais vigoroso e resistente ao fenômeno da diversificação (ou pluralismo religioso).  (mosaico dos santuários garrafinhas)

Assim, confirma-se que o Norte Pioneiro do Paraná encontra-se em uma região considerada como um dos “postos avançados”, uma das “fortalezas” da Fé Católica que convive com as demais crenças da citada região.

I.III Indicadores de Desenvolvimento

Escolhemos como um dos indicadores do Norte Pioneiro para representar as estatísticas da região, um da área da educação. Em 2000, apenas 45,8% dos jovens entre 15 a 17 anos estavam na escola. Em 1991, 3,5% dos jovens estavam na universidade, e em 2000, essa taxa subiu para 7,1% (Dados: Observatório Base de Indicadores de Sustentabilidade (Orbis/2006).

O Norte Pioneiro do Paraná precisa de mais ações que estimulem o desenvolvimento regional sustentável.

I.IV Turismo

O turismo é uma atividade que tem o “poder” de re-criar no ser humano, o equilíbrio espiritual, mental e físico, anular o estresse, gerar alegria e descontração, através da satisfação das necessidades inatas de religiosidade, de lazer, de distração, de ampliar conhecimentos e de romper com a rotina diária. No Brasil, segundo a Embratur, a religião é a segunda razão que leva os brasileiros a fazer as malas, perdendo apenas para o turismo de lazer.

I.V Turismo Religioso

No jornal oficial da Igreja Católica, L’Osservatore Romano, foi escrito um longo artigo, pedindo que “seja estimulado o turismo religioso no mundo”, por ser justamente a atividade econômica mais eficaz no que se refere à realização do desenvolvimento pessoal, da distribuição de renda e da difusão da Paz no nosso planeta. ”Onde houver discórdia o Turismo religioso pode levar a Paz”.

Como um “milagre”, a atividade turística promove nas relações entre as pessoas um ambiente extremamente harmônico e amigo, pleno de amabilidade, de cortesia, de acolhimento, de hospitalidade e cooperação totalmente incompatível com ambientes de discórdias, tanto entre os turistas, como e especialmente, entre os turistas e os habitantes dos lugares turísticos.

Deste, modo atendendo ao apelo de promover a concórdia e a paz a Rota do Rosário deseja produzir frutos de verdadeira fraternidade. O Norte Pioneiro do Paraná há muito procura um caminho. Um caminho que possa trazer desenvolvimento humano, econômico e social à região. E o caminhar tem a ver com o peregrinar está intimamente relacionado ao sentido do sagrado e a particularidades de cada tempo e lugar. As peregrinações acompanham a história dos homens e refletem características religiosas e culturais de cada região. Uma coisa, porém, se mantém ao longo do tempo, em todos os espaços: Aquele que anda em peregrinação está à procura de respostas, de esperança, de Deus. Nos dias de hoje, pode estar também à procura de paz, partilha, lazer e turismo!

  1. VOCAÇÃO PARA O TURISMO

Os caminhos do Norte Pioneiro sempre estiveram ligados à fé e a fatos incontestáveis:

  1. a) O Norte Pioneiro é rico em gente hospitaleira;
  2. b) Rico em lindas paisagens;
  3. c) Rico em Fé Católica e
  4. d) Possui uma riqueza inexplorada de Santuários, Igrejas, Relíquias, Murais, Missas e Festas Religiosas.

Todo esse processo caracteriza um enorme potencial turístico que se bem explorado redundará em Desenvolvimento Regional.

O Turismo: “É um fenômeno de transformação sócio-econômico, pois envolve pessoas em todas as etapas do seu processo produtivo, e é justamente a inter-relação destas pessoas que produzirá os benefícios sociais e econômicos resultantes da prática do Turismo” (SEBRAE). Acreditamos ser este um dos caminhos do Norte Pioneiro do Paraná.

Além do que ao Turismo Religioso se integrará naturalmente: ao Turismo Rural, ao Turismo Ecológico, ao Turismo Cultural e ao Turismo de Aventura  para os quais nossa região tem potencial incontestável

  1. PROJETO DE TURISMO RELIGIOSO

Como símbolo deste projeto que transformará nossa região em um destino religioso foi escolhido o Rosário.

Rosário que é uma prática entre os católicos… Tem significado de evangelho, de religiosidade popular, oração, união, simplicidade… É um oferecimento, mistura de misticismo, alegrias, dores, sofrimento e vitoriosidade.   É “obra” Tem o simbolismo das rosas, do amor maior entre mães e filhos. Deus e seus filhos em unidade na diversidade. Eis a nossa marca. A marca da nossa rota…Rota do Rosário.

  1. I FASES DO PROJETO ROTA DO ROSÁRIO

IV.I.I Primeira Fase

O Projeto atinge dezenas de cidades, em uma região que abrange a AMUNORPI – Associação dos Municípios do Norte Pioneiro – e a Diocese de Jacarezinho. Uma área de quase 15.000,00 Km2 e mais de 460 mil habitantes (Fonte: IBGE e CNBB – Regional Sul II).  

Assim, o projeto avançará por fases, sendo que em cada fase será anexado um grupo de cidades até termos toda a rota formada e integrada.

Protocolo de Intenções Fase I

Na tarde do dia 15 de agosto de 2008, reunidos na Cúria Diocesana de Jacarezinho; Sede Episcopal, gestores e parceiros do Projeto Rota do Rosário assinaram termo de intenções para a Fase I do projeto Rota do Rosário.

Municípios da Fase I

São seis os municípios e sete os atrativos religiosos que integram a primeira fase do projeto:

Jacarezinho – Santuário Mãe Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt e Igreja Matriz Nossa Senhora Imaculada Conceição (pinturas murais de Eugênio de Proença Sigaud);

Bandeirantes – Santuário Santa Terezinha;
Ribeirão Claro – Santuário São Vicente de Pallotti;
Siqueira Campos – Santuário do Bom Jesus da Cana Verde; e
Tomazina –  Santuário de Santo Inocêncio.

Mini-Roteiros

A Rota do Rosário reunirá, inicialmente, em sua fase 1, atrativos turísticos religiosos de seis cidades, em mini-roteiros, com duração média de dois (2) dias.  A iniciativa tem o objetivo de estimular o turista a permanecer, ao menos, mais um dia na região, visitando a cidade vizinha e auxiliando o desenvolvimento dos municípios, com geração de emprego e renda.

Para tanto se valorizará:

1) a complementaridade entre atrativos turísticos religiosos – santuários, igrejas, diversas manifestações e monumentos religiosos – e os diversos outros atrativos que cada município puder ofertar dentro da concepção de ecoturismo, turismo rural, de aventura, de lazer, de negócios e cultural.

– Ecoturismo: associado à visitação a cachoeiras, ilhas, serras e mirantes, incluindo a valorização do artesanato local.

– Turismo rural: associado às nossas belas propriedades rurais que possuem atividade produtiva e oferecem hospedagem, alimentação, passeios, venda de produtos locais, além da oportunidade para os visitantes desfrutarem diferentes ambientes rurais, em estreito contato com a natureza e com costumes fora do ambiente urbano.

– Turismo de Aventura: associado a prática de atividades como trekking, rappel, vôo livre, pesca esportiva entre outros, nas serras, ilhas, cachoeiras e represas da região

– Turismo de Lazer: associado às diversas praias fluviais, a passeios de barcos e à prática ou acompanhamento de competições de canoagem e outros esportes nas represas e rios da região.

-Turismo de Negócios: associado principalmente à agricultura – café orgânico. entre outros.

-Turismo Cultural: associado à diversidade de manifestações culturais, educacionais e folclóricas e a visitação ao patrimônio arquitetônico e prédios históricos.

Todas as modalidades sugeridas deverão ser compatíveis aos preceitos do turismo sustentável, que se acredita definir como um patamar superior do planejamento turístico.

2) Os mini-roteiros serão organizados levando em consideração:

  • Facilidade de acesso entre as cidades pólos turísticos e/ou vizinhas;
  • Menores distâncias entre as cidades pólos turísticos e/ou vizinhas;
  • Possibilidade de elaboração de roteiros integrados entre os atrativos existentes.

LANÇAMENTO DA ROTA DO ROSÁRIO

Inserida no Roteiro de inauguração do Santuário da Mãe Rainha, a Rota do Rosário foi lançada oficialmente ao meio-dia do dia 18 de outubro de 2008, pelo bispo diocesano Dom Fernando José Penteado. Além do próprio Santuário, outras seis Igrejas compõem este roteiro de turismo religioso na Diocese de Jacarezinho, Norte Pioneiro do Paraná.

O lançamento aconteceu no local do recém inaugurado Santuário da Mãe Rainha. Segundo os organizadores, o evento reuniu milhares de pessoas.

(foto da missa de inauguração da mae rainha padres e bispos)

Os fiéis participaram com fé e entusiasmo. Antes da Missa, devotos de Nossa Senhora, numa só voz repetiam: “De Igrejas a Santuários eu vou feliz pela Rota do Rosário”. Segundo Dom Fernando este projeto é uma “ferramenta para o desenvolvimento sustentável da sociedade”.

V – OBJETIVOS

GERAL

Transformar a região em um pólo de turismo religioso que seja referência nacional e internacional, concomitantemente melhorando a qualidade de vida da população residente.

ESPECÍFICOS

  • Propiciar alento às necessidades de moradores e turistas,
  • Desenvolver a Pastoral dos Santuários,
  • Propiciar sensível melhoria dos capitais humanos, sociais0 e econômicos,
  • Contribuir para o desenvolvimento sustentável da região,
  • Ampliar o número de turistas para a região norte pioneira paranaense,
  • Aumentar a taxa de permanência e o gasto médio dos turistas,
  • Buscar a valorização e preservação dos atrativos naturais, do patrimônio histórico e cultural, incluindo a gastronomia, artesanato e outras manifestações culturais locais.

ESTRATEGIAS DE DESENVOLVIMENTO

O desenvolvimento e implementação do planejamento da RR – Rota do Rosário visualiza a sustentabilidade não como um fim a ser alcançado, mas um caminho a ser continuamente percorrido. O monitoramento que sucederá o planejamento deverá refletir a busca da sustentabilidade, posto que o processo é dinâmico, contínuo e flexível.

As estratégias preveem diversas atividades, todas voltadas para a formatação do produto turístico Rota do Rosário como um novo pólo ou destino turístico no Estado do Paraná. O projeto parte das manifestações e patrimônio religiosos existentes, mas abrangerá uma grande gama de ações a serem executadas.

Esclarecendo que as estratégias aqui definidas são apenas um instrumento, sozinhas não promoverão mudanças ou desenvolvimento. A correta implantação ou não das ações é que definirá o futuro, a viabilidade e o sucesso desse projeto.

VI.I – Bases e eixos fundamentais do projeto:

  1. a) Evangelização

O Documento de Aparecida é claro: A Igreja deve cumprir sua missão seguindo os passos de Jesus e adotando suas atitudes. (pg.25)

São Paulo é considerado a 13º apostolo, por ter sido e ainda ser tão presente o seu espírito de evangelizador das nações. Para ele não existiam fronteiras e obstáculos que o impediam de levar Jesus Cristo.

A Rota do Rosário enquanto um novo jeito de evangelizar na Diocese de Jacarezinho, oferece esta opção aos peregrinos com o Turismo Religioso.

A evangelização nas comunidades da Rota do Rosário tem como referencial o anúncio de Jesus Cristo, principal razão de todo este projeto.

Ademais, será trabalhado com grande fervor, a fé, conhecimento do padroeiro, sua biografia, seu estilo de vida e a sua imitação de suas virtudes como um grande projeto de vida espiritual, a fim de se construir uma nova sociedade, a civilização do amor.

Os padroeiros deverão ser cada vez mais difundidos, amados, venerados e honrados. Será feito um excelente marketing religioso dos tesouros de fé. As metodologias serão livres para que as comunidades tenham plena autonomia de ação, no intuito de levar Cristo, e de atrair os fiéis.

Com Maria queremos caminhar no espírito do Documento de Aparecida: “isso requer, a partir de nossa identidade católica, uma evangelização muita mais missionária, em diálogo com todos os cristãos e a serviço de todos os homens.” (pg. 14)

  1. b) Desenvolvimento Sustentável

O conceito de desenvolvimento sustentável engloba três princípios fundamentais: a sustentabilidade ecológica, que permite às pessoas entender o valor daquilo que está sendo explorado e compreender a importância do equilíbrio ambiental; a sustentabilidade sociocultural , que promove o bem estar das populações e mantém a identidade do local; e a sustentabilidade econômica, que promove a geração de ocupação e renda.

Neste contexto destacamos:

b.1. Qualidade de Vida

Eis alguns itens relevantes no processo de melhoria de vida das populações fixas das cidades turísticas:

– incremento dos postos de trabalho e renda,

– aumento da acessibilidade da população aos serviços urbanos e aos ganhos em educação, cultura e segurança,

– ampliação de opções de lazer,

– melhoria da gestão municipal sobre o uso e ocupação do solo, o meio ambiente e o crescimento da atividade turística.

Considere-se, ainda, que o desenvolvimento da consciência dos benefícios da presença dos turistas gera também inúmeros outros benefícios pessoais, com uma verdadeira explosão da criatividade e hospitalidade que motiva os habitantes do local a conhecer a sua história, descobrir, embelezar e criar lugares e atrações turísticas, valorizar suas comidas típicas, artesanatos, atividades recreativas e prestar inúmeros serviços com especial qualidade de atendimento.

Além de tudo isso, há a possibilidade real, de estar trazendo de volta às cidades seus antigos habitantes (parentes e amigos), pois há oportunidades ilimitadas de trabalho.

 b.2. – Inclusão Social

O turismo tem amplas possibilidades de inclusão social, contribuindo para o combate à pobreza ao favorecer o pequeno e micro empreendedor na cadeia produtiva do turismo. Sendo assim, podem ser promovidos arranjos produtivos locais, que se iniciam com a criação de mecanismos educativos para que os cidadãos, como um todo, nos diferentes bairros e associações comunitárias, reconheçam no turismo essas novas potencialidades de inclusão social.

Seja como oportunidade de organização de pequenos empreendimentos nos arranjos produtivos, seja como iniciativa individual de atividade remunerada e regularizada, garantindo renda familiar e minimizando o impacto do desemprego, que continua a atingir boa parte da população residente na região.

  1. 3. Ações Regionais
  • Aperfeiçoar a hospitalidade do cidadão da região, enquanto anfitrião;
  • Disponibilizar formas alternativas e integrativas de organização da atividade turística;
  • Ampliar os conhecimentos sobre a geografia, a cultura e a história regional como estratégia de sensibilização, motivação e de divulgação aos turistas (escolas integradas ao processo), pois o turista não pode encontrar comunidades que mal sabem dar informações geográficas ou a respeito da cultura, do valor de seus monumentos e, principalmente, dos atrativos religiosos da RR.
  • Envolver atrativos turísticos similares e/ou complementares aos atrativos religiosos dos pólos;
  • Conscientização Turística Escolar e Conscientização Turística dos Profissionais do Setor e áreas afins sobre a RR

A Conscientização Turística Escolar tem como público alvo os alunos de primeiro e segundo graus, sendo implementado através de palestras, teatros, atividades culturais e visitas orientadas aos atrativos turísticos.

A Conscientização dos Profissionais é realizada através de treinamentos, cursos e palestras sobre o turismo e a sua importância para o município, podendo, ainda, ser complementado com visita aos atrativos turísticos. O Programa de Conscientização Turística será desenvolvido em parceria com outros órgãos e entidades ligados ao turismo e a educação regionais.

  • Capacitação de Guias de Turismo:

A formação de guias que atuam preferencialmente no Turismo Religioso deve levar em consideração os aspectos da história, da arquitetura, do meio ambiente, da culinária e do estilo de vida das regiões e locais abertos à visitação, de modo a tornar a experiência a mais rica e interessante possível. O guia deverá combinar a informação acurada com um modo atraente de apresenta-la evitando tanto o academicismo excessivo quanto a superficialidade levianas.

  1. Necessidades básicas comuns a todos os municípios
  • Limpeza pública;
  • Segurança pública;
  • Combate a todo tipo de poluição;
  • Padronização de quiosques, posto de Informações turísticas, ponto de ônibus e portal de entrada.
  1. Necessidades específicas da Rota do Rosário
  • Criar e organizar o Passaporteda Rota do Rosário:
  • Passaporte Rota do Rosário servirá  para certificar a rota do peregrino:
  • “Caminhar é preciso. Somos peregrinos da fé no limiar da esperança.”
  • Ao fazer oficialmente o Caminho da Rota do Rosário o peregrino receberá o Passaporte da Rota do Rosáriopara construir  seu roteiro, seu aprendizado de cada vivência religiosa e de aventura pela Rota do Rosário. Com o passaporte  o peregrino deverá participar das missas dos atrativos turísticos, nas cidades da Rota, recebendo, em cada evento, um carimbo. Quando o peregrino completar as visitas, no ultimo lugar visitado, receberá o Certificado  da Rota do Rosário, que o configurará: Apóstolo da Rota do Rosário.
  • O Passaporte será encontrado em cada santuário ou atrativo da Rota do Rosário bem como nas agências que divulgam este destino turístico. O Passaporte oferecerá indicações sobre os atrativos religiosos das cidades pólos e satélites da Rota do Rosário. Criar e Lançar o Guia de Turismo da Rota do Rosário – com informações em português, espanhol e inglês;
  • Identificar as características do novo consumidor turístico;
  • Criar equipe de facilitadores em cada Município com o objetivo de divulgação, sensibilização, levantamento de dados e contato com a coordenação do projeto;

– Realizar oficinas de formação dos facilitadores;

  • Definir Agência de Turismo;

VI.III Plano de Marketing – Formatação e Promoção de Produtos Turísticos

A implantação de um marketing eficiente exige esforços coordenados em longo prazo, por isso é necessário o planejamento. Todos os setores envolvidos, como as agências, operadoras, empreendimentos turísticos e governo precisam ter uma campanha só de divulgação do turismo. Trabalhando com segurança, responsabilidade social e ambiental. O resultado desse trabalho em conjunto, reflete no bom atendimento e satisfação do cliente, tornando-o seu melhor produto de marketing.

  • Divulgação e comercialização do produto turístico:

– Imprensa escrita, falada e televisionada
– Site da Rota do Rosário
– Produção de DVD
– Banners
– Camisetas
– Adesivos
– Informativo on line
– Informativo tipo revista
– Folders
– Monumento e/ou Portais.

VI.IV Qualidade e Competitividade dos Produtos e Serviços Turísticos

  • Estudos para comercialização, promoção e controle dos fluxos turísticos;
  • Cursos de capacitação profissional;
  • Estruturação de equipamentos, serviços turísticos, mirantes, postos de informações turísticas, portais, etc;

VII. PARCEIRAS

A palavra-chave para que sejam agregados todos os atores com que o turismo trabalha é PARCERIA.

– Cúria Diocesana
– Decanatos e Paróquias
– Governos Federal e Estadual
– Prefeituras e Câmaras Municipais
– AMUNORPI
– Associações Comerciais e Industriais
– Instituições, entidades e associações de classe
– Agências de Desenvolvimento Locais
– Concessionárias de Rodovias
– Meios de Comunicação em geral
– Rádios Católicas
– Correios
– Agências de turismo emissoras
– Instituições de Ensino Superior, principalmente Faculdades de Turismo.
– SEBRAE, SENAC, SENAR

Obs.: Entendemos que as faculdades de turismo regionais podem ser centros de disseminação do turismo religioso colocando a matéria, e as modalidades  turísticas afins, em sua grade curricular e dessa forma criando uma nova geração de profissionais envolvidos com o processo turístico regional.

VIII.  BENEFICIOS DA  ROTA DO ROSÁRIO  PARA CADA MUNICÍPIO INTEGRANTE DA ROTA

O Turismo movimenta e impulsiona mais de 50 atividades ligadas direta e indiretamente a ele, pois: o turista se hospeda, utiliza os meios de hospedagem existentes na cidade receptora; o turista se alimenta, usufrui dos serviços e produtos de pizzarias, lanchonetes, padarias, restaurantes, entre outros; o turista usa meio de transporte, ou seja, para se deslocar utiliza ônibus, táxi, moto-táxi e outros meios, e, se estiver com seu veículo próprio ele irá utilizar os serviços dos postos de combustível; o turista faz compras na cidade, ou seja, movimenta todo o comércio em geral e visita os pontos turísticos, compra lembranças e souvenirs que auxiliam na própria divulgação.

Especificamos alguns benefícios por setor:

1) Prefeitura

  • Aumentar a arrecadação de impostos;
  • Melhorar a qualidade de vida no município;
  • Estimular a diversidade econômica;
  • Divulgar institucionalmente o município;
  • Melhorar a infra-estrutura turística e os equipamentos urbanos (acelerador do processo de urbanização);
  • Geração de trabalho e renda;
  • Distribuição mais justa da renda;
  • Elemento de aproximação e difusão cultural;
  • Incentivador e realizador de inovações tecnológicas
  • Atração de investimentos nas áreas de entretenimento e lazer;
  • Empreendedores investirão em iniciativas preservacionistas.

2) Comércio/Indústria

  • Agregar valor aos produtos locais;
  • Geração de novos empreendimentos;
  • Incrementar e diversificar produtos e serviços;
  • Ampliar as oportunidades de negócio;
  • Aumentar a “exportação” de produtos e serviços;
  • Desenvolver alternativas econômicas baseadas no turismo como fator econômico;
  • Aproveitar novos mercados de consumidores;
  • O aumento da renda familiar nas localidades fará com que as pessoas consumam mais movimentando todos os setores da economia local.

3) Comunidade

  • Novas oportunidades de trabalho;
  • Diminuição do desemprego já que muitos empreendimentos serão inaugurados
  • Geração de micro e pequenas empresas;
  • Intercâmbio cultural;
  • Resgates e preservação cultural – patrimônio artístico – patrimônio arquitetônico
  • Valorização de habilidades pessoais;
  • Melhoria da qualidade de vida e da auto-estima;
  • Melhorias da infra-estrutura urbana e de lazer;
  • Redução da criminalidade e violência, pois muitos se ocuparão de forma digna nas novas atividades turísticas
  • Capacitação profissional;
  • Agregar renda familiar.

4) Região

  • Envolvimento das Prefeituras / Prefeitos da região;
  • Comprometimento das entidades parceiras e empresários;
  • Preservação ambiental das áreas turísticas;
  • Preservação das matas ciliares – mananciais da região;
  • Geração de novos postos de trabalho;
  • Envolvimento das comunidades;
  • Vontade política;
  • Momento político e econômico;
  • Grande potencial turístico da região.

VIII.I    PRÉ-REQUISITOS PARA OBTER BENEFÍCIOS DO TURISMO

A atividade turística só trará para a cidade todos os benefícios citados acima se toda a comunidade:

  • Reconhecer que nossas cidades têm potencial turístico;
  • Acreditar que crescerá economicamente através do Turismo;
  • Prestigiar os pontos turísticos;
  • Prestigiar os eventos das cidades;
  • Receber bem os visitantes, para que estes retornem, sempre;
  • Agir como agente multiplicador e fiscalizador.

 

VIII.II RESULTADOS ESPERADOS

  • Segurança nas atividades e segmentos;
  • Maior competitividade do setor;
  • Qualidade na prestação de serviços;
  • Diferencial de mercado;
  • Preservação dos recursos naturais e culturais;
  • Profissionais capacitados;
  • Empresas certificadas;
  • Turistas sensibilizados;
  • Desenvolvimento Regional.
  • Integração dos demais municípios que agregam valor à Rota do Rosário com seus atrativos juntamente com os santuários.

IX.AVALIAÇÃO

  1. No decorrer da caminhada, com apoio inicial  de Dom Fernando José Penteado (Bispo Emérito), de todos os reitores, e, na sucessão do governo de Dom Antonio Braz Benevente, grande apoiador desta ferramenta de evangelização, atualmente a Rota do Rosário se estende por toda a Diocese conforme o  Plano Pastoral Diocesano de 2015-2019 na página 12 que traz:

PRIORIDADE DIOCESANA: A FAMÍLIA
“Criar, estruturar e apoiar em todas as paróquias a Pastoral Familiar”
1ª URGÊNCIA: A IGREJA EM ESTADO PERMANENTE DE MISSÃO
“A família precisa de nossa especial atenção”
Objetivo- Ter uma comunidade mais acolhedora, misericordiosa e missionária.
EM ÂMBITO PAROQUIAL
1. Pastoral da Acolhida (no escritório paroquial e em todos os momentos da vida comunitária, especialmente nas datas celebrativas das famílias: aniversários, bodas, funerais…) e apoiar a Pastoral do Turismo (Rota do Rosário) transformando a paróquia numa grande Família Cristã.

Por esta razão, entende-se a Rota do Rosário como uma opção para toda a Família que pode encontrar em cada santuário a renovação de suas forças internas, espirituais, as consolações de Deus para a sustentação de toda estrutura do corpo familiar. De Norte a Sul, há um caminho de fé a ser percorrido, o desafio é deixar para trás um pouquinho de  para encontrar o muito do outro no encontro, na partilha e  comunhão.

No Anuário Diocesano de 2017, encontra-se na página 21:

Santuários e Atrativos da Rota do Rosário na Diocese

REGIÃO NORTE DA DIOCESE

Jacarezinho
Catedral Imaculada Conceição
Santuário da Mãe Rainha e Vencedora de Schoenstatt
Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe
Mosteiro Preciosíssimo Sangue – Fraternidade o Caminho
Capela São Benedito
Museu D. Ernesto de Paula

Ribeirão Claro
Santuário Diocesano de São Vicente Pallotti

Bandeirantes
Santuário Diocesano de Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face
Santuário Diocesano de São Miguel Arcanjo
Museu Maria Calil Zambon

Ribeirão do Pinhal
Santuário do Divino Espírito Santo

Santo Antonio da Platina
Santuário de N.Sra das Graças

REGIÃO CENTRO DA DIOCESE

Siqueira Campos
Santuário do Senhor Bom Jesus da Cana Verde
Museu Joaquim Vicente de Souza

Ibaiti
Santuário Eucarístico Diocesano do Sagrado Coração de Jesus

Tomazina
Santuário Diocesano Nossa Senhora da Conceição Aparecida e de Santo Inocêncio, Mártir

REGIÃO SUL DA DIOCESE

Arapoti
Igrejinha de São João Batista
Museu da Colonização Holandesa

Jaguariaíva
Santuário do Senhor Bom Jesus da Pedra Fria
Museu Histórico Municipal  Palacete Francisco Matarazzo
Museu Ferroviário

  1. X. IDENTIFICAÇÃO DOS RESPONSÁVEIS PELO PROJETO

Projeto pertencente à Diocese de Jacarezinho PR
www.diocesejacarezinho.org
Responsável Direto: Dom Antonio Braz Benevente – Bispo Diocesano
Endereço: Avenida Getúlio Vargas, 262  Centro
Caixa Postal 01   CEP: 86.400-000
Fone/Fax: (43) 3525-0707- Jacarezinho – PR
E-mail: diocesedejacarezinho@hotmail.com – (Cúria Diocesana)
www.rotadorosario.org
E-mail: contato@rotadorosario.org

  1. Coordenação
    Dom Antonio Braz Benevente – Presidente
    Padre Celso Miqueli – Coordenador Diocesano da Rota do Rosário
    Nomeado em 10/10/2008

XII Elaboração e Responsabilidade Técnica
Rubia Lisboa Martoni
Atytude, Assessoria e Projetos S/S Ltda.